Lemuria

 

Lemuria - Uma Viagem às Origens 

Lemuria.... Viajar até à Lemuria é viajar até às origens cósmicas e à Unicidade! Não é mais do que recordar Quem Somos e de onde viemos... E sim, recordar para onde vamos! É uma viajem mágica e história fantástica daquilo que o AMOR é capaz de criar! Lemuria é AMOR, é MAGIA, é UNIDADE! Convido-vos a virem comigo e redescobrir a magia dentro de si!

Origens Galácticas

Ativação da nossa memória ancestral Lemuriana

O continente desaparecido da Lemuria

Os répteis e as florestas de pinheiros

O reino humano

Raças lemurianas que ainda habitam a terra

Mestres da raça lemuriana

Grandes cidades e estátuas Religiões

Destruição do continente

Sementes estelares lemurianas

O ser humano- Origens , Lemuria e Atlantida

Auld Lang Syne

Letra da música:

Versão 1

Should auld acquaintance be forgot
And never brought to mind?
Should auld acquaintance be forgot
And auld lang syne!

For auld lang syne, my dear
For auld lang syne
We’ll tak a cup o’ kindness yet
For auld lang syne.

And surely ye’ll be your pint stowp
And surely i’ll be mine!
And we’ll tak a cup o’ kindness yet,
For auld lang syne.

For auld lang syne, my dear
For auld lang syne
We’ll tak a cup o’ kindness yet
For auld lang syne.

We twa hae run about the braes
And pou’d the gowans fine
But we’ve wander’d mony a weary fit
Sin’ auld lang syne.
For auld lang syne, my dear
For auld lang syne
We’ll tak a cup o’ kindness yet
For auld lang syne.

We twa hae paidl’d in the burn
Frae morning sun till dine
But seas between us briad hae roar’d
Sin’ auld lang syne.

For auld lang syne, my dear
For auld lang syne
We’ll tak a cup o’ kindness yet
For auld lang syne.

And there’s a hand, my trusty fere
And gie’s a hand o’ thine
And we’ll tak’ a right gude-willie waught
For auld lang syne.

For auld lang syne, my dear
For auld lang syne
We’ll tak a cup o’ kindness yet
For auld lang syne.

 

“Durante minhas pesquisas da origem de Auld Lang Syne, vi, com satisfação, um outro lado desta canção. Descobri que existe uma vasta fonte de lendas e mistérios bastante intrigantes, com versões diversas em diversos países, que não tinham nenhuma ligação com a Escócia, tida hoje como a terra de onde surgiu tal música.

Uma das versões diz que a origem de Auld Lang Syne, vem dos tempos do antigo continente de Lemúria. Para os que não conhecem; Atlântida não é o único mito de civilização desaparecida que afundou no mar, Lemúria é também uma civilização que teve o mesmo destino. Vou tentar sintetizar a lenda de Lemúria, segundo diversas teorias:

Segundo Lorde Himalaya, (www.institutoninarosa.org.br) em 1959, a Era Lemuriana estendeu-se de aproximadamente 4 500 000 a.C. até cerca 12 000 anos atrás.  O território pertencente ao gigantesco continente da Lemúria incluía as terras atualmente sob o Oceano Pacífico, bem como o Havaí, as Ilhas de Páscoa, Fidji, a Austrália e a Nova Zelândia. O continente incluía também terras no Oceano Índico e Madagascar. A costa este da Lemúria prolongava-se até à Califórnia e parte da Colúmbia Britânica no Canadá.

Há 25 000 anos atrás,Atlântida e a Lemúria,duas das mais desenvolvidas civilizações daquele tempo, batiam-se uma contra a outra por causa das “ideologias”.  Tinham duas idéias diferentes acerca de qual seria a direção indicada para a continuidade de outras civilizações neste planeta. Os Lemurianos acreditavam que as outras civilizações menos evoluídas deveriam ser deixadas sozinhas para continuar a sua própria evolução, ao seu próprio ritmo, de acordo com os seus próprios entendimentos e caminhos. Por sua vez, os Atlantes pensavam que as culturas menos evoluídas deveriam ser controladas pelas duas civilizações mais evoluídas. Esta discórdia causou uma série de guerras termonucleares entre a Atlântida e a Lemúria.

Quando as guerras acabaram e a poeira assentou não sobravam vencedores.  A Atlântida e a Lemúria tornaram-se vítimas da sua própria agressão e as terras-mãe de cada continente enfureceram-se por aquelas guerras. As pessoas foram então informadas, através dos sacerdotes de que, em menos de 15 000 anos, os seus continentes seriam destruídos.

No dia da destruição, muitos membros da classe sacerdotal colocaram-se em pequenos grupos estratégicos, em vários locais, e rezaram e cantaram Auld Lang Syne, à medida que afundavam sob as águas. A idéia era a de que todas as experiências horríveis deixam uma cicatriz e um trauma no corpo etéreo e na memória celular das pessoas, que leva várias vidas encarnadas para curar. Até hoje esta música está no nosso inconsciente coletivo, como herança daqueles dias.

Acredite ou não caro leitor, o fato é que esta música possui uma aura de mistério bastante interessante para aqueles que gostam do assunto. Por isto é cantada no romper do novo ano, para que sejamos lembrados das lições de Lemúria.

Fonte: http://www.lucianopires.com.br/idealbb/view.asp?topicID=9500

 

LEMURIA

Uma Viagem às Origens - Origens Galácticas

Uma mensagem escrita por Adam Apollo Para alguns, a seguinte informação irá parecer ficção científica. Na verdade, muitas das nossas experiências cotidianas foram consideradas ficção científica uma ou duas décadas atrás. Nós andamos ao redor com capacidade para quase instantaneamente conversar...

O Lar Ancestral

Ativação de nossa memória ancestral Lemuriana

   O fim da civilização lemuriana ocorreu pouco a pouco, antes da civilização atlante. Mas apesar de que aquela civilização haja desaparecido há dezenas de milhares de anos, a consciência lemuriana está sempre presente. Ela foi conservada viva na Terra. Todos os...

O CONTINENTE DESAPARECIDO DA LEMURIA

  Geralmente é reconhecido pela ciência que o que é hoje terra seca na superfície do nosso globo foi, certa vez, o fundo do oceano, e o que é hoje o fundo do oceano foi, certa vez, terra seca. Em alguns casos, os geólogos têm sido capazes de especificar as porções exalas da superfície...

Os répteis e as florestas de pinheiros

  Pode-se observar nessa tabela que o homem lemuriano viveu na época dos répteis e das florestas de pinheiros. Os monstruosos anfíbios e os fetos gigantescos do período permiano ainda medravam nos climas úmidos e moderadamente quentes. Os plesiossauros e ictiossauros existiam em grande...

O reino humano

  Antes de fazer qualquer referência ao que, mesmo nesta época primitiva, deve ser chamado de o reino humano, é preciso deixar claro que nenhum daqueles que, no momento atual, podem apresentar uma razoável dose de cultura mental ou espiritual podem pretender ter vivido nessa época. Foi...

Raças lemurianas que ainda habitam a terra

Não será demais repetir que as criaturas quase desprovidas de mente que habitavam esses corpos, tal como foi acima descrito, durante as primeiras sub-raças do período lemuriano, mal podem ser consideradas inteiramente humanas. Foi só após a separação dos sexos, quando seus corpos tinham se...

Mestres da raça lemuriana

  Ocorreu então um evento significativo, cujas consequências foram muito importantes para a história da raça humana. Um evento, aliás, de grande significado místico, pois seu relato traz à luz Seres que pertenciam a sistemas de evolução inteiramente diferentes e que, não obstante, vieram,...

Grandes cidades e estátuas - Religião

  Durante o período mais recente, correspondente às sexta e sétima sub-raças, eles aprenderam a construir grandes cidades. Sua arquitetura parece ter sido ciclópica, correspondendo aos corpos gigantescos da raça. As primeiras cidades foram construídas naquela extensa região montanhosa do...

Destruição do continente

  Ao contrário do destino da Atlântida, que foi submersa por enormes vagalhões, o continente da Lemúria pereceu pela ação vulcânica. Foi devastado pelas cinzas ardentes e pela poeira incandescente de inúmeros vulcões. Terremotos e erupções vulcânicas, é verdade, introduziram cada uma das...

Sementes Estelares Lemurianas

  Há algum tempo, recebi do Plano Maior a informação de que deveria seguir uma jornada em busca das Sementes Estelares Lemurianas. Foi uma grande emoção e aventura, sendo que agora, após algum tempo, recebo a permissão de compartilhar com todos vocês, meus irmãos de jornada, que se...

O Ser Humano: Origens, Lemúria,

  LEMURIA Acerca de 4 500 000 anos a.C. 1, o Arcanjo Miguel, com a sua equipa de anjos da Chama Azul e muitos seres do Reino de Luz, com a bênção do Pai-Mãe-Deus, escoltaram para este planeta as primeiras Almas que se tornariam a semente da raça lemuriana. Isto teve lugar no...